Tão minha

Sei que embora eu pareça só
Tão só, tão magra, tão fria
Eu não seja assim tão sozinha
Tão só, tão magra, tão fria

Eu sei que sou uma bagunça
Das grandes, daquelas profundas
Que minh’alma se estreita culpada
Tão só, tão magra, tão fria

E que em um recanto qualquer
Tão longe, encontrei um museu
E em uma das obras, seus olhos
Tão claros, tão raros, tão seus

E eu sei que cansei de ser só
Tão só, tão magra, tão fria
Que agora eu quero ser sua
Tão sua, tão crua, tão nua

Ou que embora eu não queira ser só
Tão só, tão magra, tão fria
Eu então seja mesmo sozinha
Não sua, mas minha

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s