Última Avenida

Vagando há tempos, sem tempo
Nenhum carro passou
Não vi placa, nem curva
Nem um guarda com apito
Como fui parar aqui, tão longe?
Sem sinal, sem casinhas
Nem barraco ou chalé
Também não tem bicicleta, vago a pé
Nenhum poste com antena,
ou caminhão de passagem
Como fui parar aqui, tão longe?
Estrada de terra
Silêncio gostoso de ouvir
Sem buzina e som alto
Sem ter que esperar o sinal abrir
Não tenho relógio, ou um mapa
nem TV, nem nascente
Estou na última avenida da mente
Observei o céu expandir
Sem andorinha cantando
Sem avião decolando
Em busca de algum horizonte
Como fui parar aqui, tão longe?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s